Museu Padre Joseph Cornélius Maria De Man

Seguindo a tendência internacional e nacional de por ao palco a valorização da cultura, foi implantado em 13 de julho de 1993 pelo então presidente da SEUT (Sociedade Educacional União e Técnica – Mantenedora) Dom Lélis Lara e pelo Diretor do ICMG (Instituto Católico de Minas Gerais – Mantida) Dr. José Edélcio Drumond Alves, o museu “Padre Joseph Cornélius Maria De Man” com o objetivo de preservar a Memória Institucional e contribuir para a formação de consciência artística e cultural na região.

No entanto, no novo milênio globalizado, a sociedade torna-se cada vez mais fragmentada, as referências de identidade multiplicam-se e, em lugar da idéia de uma memória única, imutável e homogênea têm-se a pluralidade de memórias socialmente diversificadas. Assim, surgiram movimentos de renovação propondo iniciativas de revitalização de várias instituições no sentido de adequá-las aos parâmetros da “nova museologia”. O novo paradigma de museu passou a requerer a implantação de serviços educativos referenciados no princípio da participação do público na construção das relações culturais. E como em nenhuma outra época, o papel educativo e a relação do museu com a comunidade tornam-se, de fato, questões fundamentais do pensamento e das práticas museológicas.

Nesse processo de adequação à realidade do mundo contemporâneo é necessário que o museu desenvolva reflexões sobre sua própria história, construa uma memória não como mera repetição e conservação do passado, senão como uma ampliação da cidadania no sentido de sentimento de pertencimento de grupos sociais que se encontram à margem da memória social.

Em razão das novas perspectivas de renovação dos espaços museológicos, o curso de História do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais através da Pro-Reitoria Acadêmica deu início em 2004, o projeto de Revitalização do Museu Padre De Man, a começar pela a organização, higienização e conservação do acervo documental e iconográfico existente no antigo Museu do ICMG, fundado pelo Departamento de Cultura.

Dando seqüência às atividades, com apoio da Fundação Geraldo Perlingeiro Abreu – FGPA, está em andamento nesse primeiro semestre de 2005 o processo de digitalização do acervo fotográfico, atas, jornais, boletins, além de outros documentos impressos, acreditando-se convictamente que no futuro próximo o Museu Padre De Man se tornará mais um lugar de memória por excelência na Região Metropolitana do Vale do Aço.

Espaço físico

O espaço físico onde funciona o Museu Padre Joseph Cornélius De Man fora construído nos meados dos anos 70 e tombado pelo Conselho Municipal do Patrimônio Cultural de Coronel Fabriciano de acordo com a Lei Municipal nº2.097, de 26 de dezembro de 1988 e com Decreto Municipal nº1.033, de 31 de março de 1997.

O museu disponibiliza espaço para exposição permanente e temporária, espaço para acervo e dentre outros.

Padre de Man

Joseph Cornélius Maria De Man, Natural de Woerden – Holanda, nasceu a 10 de agosto de 1927. Filho do notável e consagrado escritor holandês, Herman De Man ( mais de 25 obras publicadas) de descendência judia, convertido ao catolicismo e vítima da fúria nazista. Mãe Eva Maria Kalker.

Ordenado sacerdote na Bélgica e laureado professor da consagrada Universidade de Louvania. De Boussu, integrado a ordem religiosa “Padres do Trabalho” veio como missionário para a América Latina.

Como dirigente de uma comissão de padres (Leon Verheyn, Gustavo Schoovaert e Daniel Frére) se dirigia para o Chile quando, casualmente encontrou-se com o Dr. Joseph Hein (então Diretor da Companhia Siderúrgica Belgo Mineira) na Europa e este convidou-o a vir com a sua equipe para trabalhar nas obras de promoções sociais no Rio Doce. Assim, Joseph Cornélius Maria De Man desembarcou no Brasil 29 de outubro de 1963 e não tarde já fundava a “Associação dos Padres do Trabalho” em dezembro de 1963. Após os contatos com o Dr. Hein, com Dom Oscar de Oliveira, arcebispo de Mariana, dirigentes da Usiminas, da Companhia Vale do Rio Doce e da Acesita, no escritório da Belgo Mineira, em Belo Horizonte, decidiu instalar no município de Coronel Fabriciano, onde o grupo residiu. Em março já se achavam instalados com um pequeno escritório e seminário no Horto (Ipatinga). E não tarde fundou a Universidade do Trabalho. Faleceu em junho de 1981.

Funcionamento

Segunda a sexta: 12h30 às 18h30
Telefone para contato: 3846-5637

Localização

Av. Tancredo de Almeida Neves, nº 3500 – Bairro Universitário
Coronel Fabriciano – Minas Gerais
CEP: 35170-056

Contatos

Campus Coronel Fabriciano – Bloco N

Email:
cmarques@p.unileste.edu.br

Telefone para contato:
3846-5637