Igualdade Todos os Dias

Manifesto Unileste

Na busca pela igualdade de gênero, é fundamental que tanto as pessoas quanto as instituições sejam protagonistas e estimulem iniciativas que defendam e respeitem os direitos das mulheres, combatendo todo tipo de violência, preconceito e discriminação.

Sabemos que um dos nossos papeis é fomentar debates e formar cidadãos conscientes dos valores, comportamentos e habilidades para combater as disparidades de gênero. À todas as mulheres da nossa sociedade, em especial colaboradoras e estudantes do Unileste, reiteramos nosso compromisso, alinhado às diretrizes e políticas institucionais, de continuar essa caminhada ao lado de cada uma na busca pela igualdade de direitos.

Clique aqui e confira o documento completo.

Linha do Tempo

#ElesPorElas

O Movimento ElesPorElas, criado pela ONU Mulheres, é uma campanha global para engajar os homens na luta pela igualdade de gênero. A participação deles como agentes transformadores dos ambientes sociais em que vivem é fundamental para a promoção do empoderamento feminino e para combater as violências praticadas contra a mulher – contribuindo para a implementação de uma sociedade justa.

Um dos objetivos da iniciativa é alertar sobre comportamentos machistas presentes no dia-a-dia que passam batidos por parecerem “inofensivos”. São atitudes que interferem na autoestima feminina, subtraindo a força da mulher e limitando a sua perspectiva. Confira a denominação e explicação de alguns desses termos:

Manterrupting
Quando um homem interrompe constantemente uma mulher, de maneira desnecessária, não permitindo que ela consiga concluir sua frase.

Mansplaining
Quando um homem dedica seu tempo para explicar algo óbvio a uma mulher, de forma didática, como se ela não fosse capaz de entender.

Bropriating
Quando um homem se apropria da mesma ideia já expressa por uma mulher, levando os créditos por ela.

Gaslighting
É um dos tipos de conduta que leva a mulher a achar que está equivocada sobre um assunto, sendo que está originalmente certa. É um jeito de fazer a mulher duvidar do seu senso de percepção, raciocínio, memórias e sanidade.

Princípios de Empoderamento das Mulheres

Serviços

Centro de Atendimento Psicológico

O Centro de Atendimento Psicológico disponibiliza serviços gratuitos à comunidade interna e externa, oferecendo trabalhos clínicos como avaliação psicológica, orientação profissional, psicoterapias em diversas abordagens teóricas, aconselhamento psicológico e atendimentos individuais, em família e em grupo para crianças, adolescentes e adultos.

Contato
3846-5588 | napp@unileste.edu.br
Bloco B – Campus Coronel Fabriciano

Atendimentos
Segunda a sexta: das 13h às 22h

Núcleo de Prática Jurídica e Judiciária (NPJJ)

O Núcleo de Prática Jurídica e Judiciária (NPJJ) do Unileste contribui com a democratização do acesso à justiça, abrindo suas portas à população por meio do atendimento gratuito com serviços de orientação e acompanhamento jurídico. O atendimento é direcionado especificamente para pessoas que pretendem ajuizar ação na comarca de Coronel Fabriciano, nas Áreas de Direito Penal e Direito Civil.

Contato
(31) 3846-5623 e (31) 3846-5790 | npjj@unileste.edu.br
Local: Rua Dr. Moacir Birro, 663, Centro – Coronel Fabriciano – MG

Agenda

Roda de conversa | Luto Materno – Uma reflexão sobre a experiência da perda
11 de maio – 19h | Aud. Sr. Zezinho – Campus Cel. Fabriciano

Iniciativas Institucionais

Aconteceu no dia 6 de março, na Sala de Inovação, a roda de conversa “Empoderamento Feminino – Mulher e seu papel social” promovida pelo SESMT (Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho) e a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). O encontro, parte da programação em comemoração ao Dia da Mulher (08), foi mediado pela docente do curso de Direito, Maruza Cruz Pinto Lima e contou com a participação das colaboradoras do Centro Universitário.

O curso de Psicologia do Unileste realizou, no dia 9 de maio, o primeiro encontro da iniciativa Roda de Conversa, com o tema “Vamos falar sobre os homens?”. Os objetivos da iniciativa foram divulgar o grupo de estudo sobre violência contra mulheres; enfatizar a importância do trabalho com homens autores de violência doméstica com o forma de cessar o ciclo de violência; contribuir para a prevenção da violência de gênero; refletir sobre masculinidades; discutir papéis sexuais; contribuir para relações saudáveis entre homens e mulheres, dentre outros.

O curso de Fisioterapia realizou, no dia 6 de março, a roda de conversa “Os riscos das doenças cardiovasculares”, na Secretaria Municipal de Saúde de Coronel Fabriciano. O encontro, coordenado pelo docente Cristian Freitas, abordou fatores de risco, explicando às colaboradoras e usuárias do serviço público a importância de práticas saudáveis como exercícios físicos regulares, alimentação adequada e acompanhamento frequente com profissionais da área da saúde.

O curso de Psicologia do Unileste promoveu, no dia 20 de março, a mesa-redonda “Discriminação racial e violência contra a mulher: por uma política de enfrentamento à violência contra a mulher negra”. As convidadas foram Raquel de Oliveira Sales, representante da EducAfro, Maria das Graças, representante do coletivo Aqualtune e o Grupo Roda das Pretas.

A Escola de Ciências Sociais e Aplicadas do Unileste realizou, no dia 19 de março, o talk show “Mulheres e cidadania: trajetória, conquistas e realidades”. A conversa contou com a participação das professoras Angélica Bastos, Sonia Maia Teles Xavier, Marlene de Araújo e foi mediada pelo professor Wallace Carvalho. O encontro promoveu uma reflexão sobre a reivindicação das mulheres por direitos civis, econômicos, políticos e sociais, que ressignificou o dia 8 de março em um sinônimo de resistência e luta.

O curso de Fisioterapia participou de ação educativa, no dia 13 de março, na Unidade Básica de Saúde (UBS) do bairro Mangueiras, em Coronel Fabriciano. Temas centrados na busca por uma melhor atenção à saúde da mulher foram pauta das rodas de conversas, palestras e ações educativas em saúde, conduzidas pelo docente Cristian Freitas e estudantes do curso.

A estudante de Arquitetura e Urbanismo, Letícia Fernanda Silva, apresentou, no dia 12 de março, a pesquisa “Casa-abrigo para mulheres que sofreram violência doméstica”. O trabalho é baseado na problemática de como a arquitetura das casas-abrigo, rede de atendimento especializada a qual as vítimas de violência doméstica são encaminhadas com base na Lei Maria da Penha, pode interferir na reabilitação da mulher em situação de violência.

A Escola Politécnica do Unileste promoveu, no dia 9 de março, a roda de conversa “Mulheres na Indústria: a diversidade como diferencial”, no Auditório Sr. Zezinho. Participaram do encontro a engenheira de Produto na Usiminas, Adriana Gusmão, a analista na Concert Technologies, Isternândia França, a engenheira de Manutenção e Segurança de Processos na Usiminas, Sabrina Macedo e da coordenadora de Riscos Operacionais na Aperam, Tânia dos Santos. O bate-papo foi mediado pela coordenadora do curso de Engenharia de Produção, Elizabete Serra Negra.

A Aula Magna “Feminicídio no Brasil” ministrada pela promotora de Justiça de Ipatinga, Marília Carvalho Bernardes, foi realizada no dia 9 de março, no Teatro João Paulo II. O evento, que discutiu o crime de feminicídio, também contou com a participação das docentes do curso de Direito Angélica Bastos, Dahyana Siman, Juliana Mendonça e Serciane Bouzada.

Denuncie

Central de Atendimento à Mulher – Ligue 108

A iniciativa, oferecida pela Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), é um canal de denúncia que funciona 24 horas por dia, durante todos os dias da semana. Por meio dele, em uma ligação gratuita e confidencial, as mulheres podem registrar denúncias de violações, além de receberem informações sobre direitos, amparos legais, redes de atendimento e acolhimento.

Ouvidoria Unileste
O Unileste não compactua, em qualquer circunstância, com atitudes e ações que promovem a desigualdade e que firam a dignidade e a integridade das mulheres. Por meio da Ouvidoria da instituição, você pode fazer sugestões, críticas, elogios, reclamações e denúncias relativas às atividades e funções do Centro Universitário em relação a esse e outros assuntos.

Telefone: (31) 3846-5641
E-mail: ouvidoria@unileste.edu.br

Atendimentos
Segunda-feira – das 9h35 às 11h35
Terça a quinta-feira – das 14h30 às 16h30
Sexta-feira – das 9h35 às 12h20